Portal

“Sabe aquele jogo que parece super simples, mas que é quase impossível de explicar porque é tão bom? Prazer, Portal.”

A Valve, assim como a Blizzard, é conhecida por não fazer jogos ruins. Na sua lista, apenas jogos excelentes que fazem seus fãs enlouquecerem cada vez que surge um boato de que alguma propriedade nova possa surgir. E foi a Valve que fez o explodidor de cabeças, Portal. Um FPS com os mesmos moldes de Half-Life, mas com uma pegada mais alternativa.

Visão Geral

Portal é um FPS com elementos de Puzzle que foca na física como gameplay. Foi lançado em 2007 pela Valve Corporation inicialmente para PCs e Xbox 360. Posteriormente também saiu para Playstation.

Jogabilidade

Como zerei o game em um Xbox 360, tive um pouco de dificuldade no início. É sempre melhor jogar com mouse e teclado, mas conforme fui progredindo através das fases o jogo ficou mais fluido.

Representação da física de Portal

A mecânica de jogo é muito inovadora e faz com que você tenha que pensar bastante e ativar áreas do cérebro que muitas vezes não são usadas em outros jogos. 

A famosa Portal Gun

A combinação de ação e puzzle é muito acertada e o nível de imersão é bem grande, já que o jogo não explica muita coisa do que está acontecendo. O tempo todo você fica se perguntando e se respondendo ao mesmo tempo.

Gráficos

Portal possui um estilo de design bem minimalista. É como se o time de design da Apple fosse responsável por toda a parte visual.

Mesmo nos dias atuais, o jogo continua bonito e salvo pequenas exceções de textura em elementos, o jogo sempre será uma referência de design. É tão bem projetado e criativo, que os elementos do jogo já viraram cult na cultura geek.

Set de LEGO temático.

A paleta de cores gira basicamente em torno da escala de cinza, mas elementos coloridos dos portais dão cor e objetividade. O que ajuda e muito na jogabilidade como um todo. As cores te ajudam a entender o que é importante e o que não é.

Som

São poucos os games em que podemos dizer isso, mas a ausência de trilha sonora é um fator positivo na concepção de Portal. Através do som das máquinas, timers, ondas elétricas e disparos da arma, você se sente mais dentro daquelas salas de teste. O ambiente fica mais tenso e reforça a sensação de solidão e isolamento em sua jornada.

Existe apenas uma música, mas ela faz valer a pena por todas as fases sem música. Não quero dar spoilers, por isso, só posso dizer que a hora que a música começa é uma espécie de orgasmo cerebral.

Fator Replay

Confesso que não sei se voltaria a jogar Portal. É um ótimo jogo sem sobra de dúvidas, mas a dificuldade que tive em resolver certos puzzles me causaram muita frustração. Não sei se quero passar por isso.

O jogo possui um modo de desafio por tempo. Uma espécie de “competition mode” e lá, você entra em cada câmara para desafiar o seu tempo e de outros jogadores.

Diverão

A diversão se dá pelo desafio de unir agilidade, inteligência e coordenação no uso das Portal Guns. E a alegria que dá em entrar no elevador depois de resolver um puzzle casca, é foda demais.

Desafio

Isto é o que não falta. Teve horas em que eu dava murros na minha cabeça por não ter entendido como eu deveria ter resolvido determinado puzzle.

Gostei tanto do jogo na época que resolvi pesquisar vídeos, textos e participar de fóruns relacionados ao tema. Pra minha surpresa, percebi que em várias situações, resolvi problemas de maneiras diferentes da maioria dos jogadores. Então é possível resolver o mesmo problema com técnicas diferentes.

Confesso que nas cenas do final do jogo, eu abri uma cerveja pra comemorar e apreciar o momento de vitória. Foi satisfatório demais.

Portal Reviewed by on .
4.65

Review Overview

Jogabilidade 9.3
Gráficos 9
Som 9.5
Fator Replay 9
Diversão 9.5
Desafio 9.7
9.3

About The Author

Amo videogames, natureza, animais e comida.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *